Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Relações

por R.Cheiros, em 04.10.10

Tudo nasce, cresce e morre, nada é eterno, tudo é cada vez mais efémero

Há quem se entusiasmam até à loucura no início de uma relação, seja ela qual for....

Sentimental, profissional ou de amizade (que para mim são das mais complexas de gerir) depois, há primeira “sombra”  desvanecem...
Outras há, que o tempo passa, cresce o conhecimento, os limites do  espaço de cada um, e o respeito mútuo .

E a afeição vai solidificando, quando a pessoa merece, claro, ai há que dar o nosso melhor...
O afecto genuíno só morre quando não aceitamos o outro, com todos os seus defeitos, o seu espaço e o seu tempo... Ou quando a ingratidão nós bater à porta (isso é tramado).

Até lá, não há nada mais compensador e divertido que as relações humanas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:04


Vamos lá por os pontos nos (is)

por R.Cheiros, em 19.02.09

 

Eu sou uma alma pacata. Só quero é paz e sossego (deve ser da idade)e quem me conhece, sabe que sou uma pessoa frontal que não gosto de fazer “fretes “. E se as vezes extravaso é porque não sou pior nem melhor do que ninguém … existem “merdices” com que não compactuo. Gosto de rir de “brincar”mas há limites, claro!  Posso ser muito míope mas há sapos que não engulo ,linhas que não ultrapasso apesar de algumas vezes sentir que estou prestes a pisar o risco… tenho sempre em conta duas coisas: 1ª não ultrapassar os meus limites, 2º não interferir directamente com ninguém. Mas há coisas que não procuramos e nos perseguem… irra !

 

Parece-me que há pessoas, que gostam de se fazer de vitimas. E eu até acho que o fazem bem em certas circunstancias apelarem ao nosso lado sensível (também já fui acusada de não o ter)mas fazerem-no de forma continuada a coisa começa a perder a piada.  Se existe coisa que me irrita são pessoas que passam a vida em bicos de pés e aos saltinhos a dizer : (eu estou aqui). Andar sempre a lamuriar-se pelos cantos  a vida nem avança.. credo.E eu como não sou mulher de me ficar em lamentos muito tempo ou de me fazer de coitadinha muito menos de palavras de circunstancia ou de passar a mão pelo “pelo” de ninguém só para agradar  ando um bocado ocupada com uns pensamentos inócuos e desprovidos de qualquer relevância como outros quaisquer mas que me merecem estas palavritas.

 

Aqui há uns tempos lembrei-me de fazer um blogue, e porque não…pareceu-me uma ideia engraçada e uma forma de dizer alguns disparates que de vez em quanto me povoam a alma. Sim, porque eu, ao contrário de algumas pessoas tenho a noção e consciência que digo muitos disparates. Como não sou especialista em nada nem entendida em coisa nenhuma, nem tenho pretensões a ser escritora (até porque o meu “negocio” é mais números do que letras, como já deu para notar..)fui começando a escrever aqui umas patacoadas e parece que alguns foram lendo… ora com isto tudo fui-me dando conta que ando nisto dos blogues há quase um ano.

 

Mas enfim, continuando aqui a minha linha de pensamento, porque isso do tempo agora não interessa nada. Uma coisa que me deixava baralhada de inicio era as “amizades”, ora julgava eu que aqui nos blogues existia tipo de uma confraria onde todos eram amigos e se conheciam tal era o tratamento. A facilidade com que utilizava a palavra (amiga/o) surpreendeu-me mas aos  pouco e poucos fui começando a entender o espírito da “coisa” e como sempre ouvi dizer que em Roma sê romano e que se não os poderes venceres junta-te a eles… também eu a comecei a utilizar mas com algumas restrições, confesso. Até porque há que separar o “trigo do joio “ e embora a palavra amizade seja bonita, não é meu amigo quem quer ou quem comigo troca meia dúzia de palavras e não conheço de lado nenhum.

 

Não nego que possam existir afinidades entre algumas pessoas que nos comentam que existam semelhanças de pensamentos e formas idênticas de estar na vida. Mas dai a dizer que somos amigos existe uma diferença anos luz.. entendo a  amizade  como algo mais abrangente do que trocar galhardetes nos comentários. Valorizo de mais os meus amigos e as minhas amizades para que meia  dúzia de palavras trocadas  sejam o suficiente para os considerar amigos , mas cada um tem o seu conceito de amizade .

 

Em todos os blogues ( julgo eu) existe nos comentários uma opção que nos possibilita escolher quem nos comenta, exp: todos, só amigos, ninguém ou ainda seleccionar os que queremos aceitar ou não.

É uma questão de escolha.  Quem tem os comentários sem moderação sujeita-se….

Não é meu habito ser mal educada com ninguém, muito menos me considero uma pessoa mal formada, mas há determinadas pessoas que não sabem lidar  com opiniões divergentes das suas…( e os comentários não são isso mesmo, opiniões..?) que só os entendem  como válidos se forem de encontro ao seus próprios  pensamentos e desejos., enfim… maus fígados.

 

Uma coisa é certa, quem não quer os comentários só tem de os apagar. Não percebo como é que certas pessoas se arrogam o direito de opinar sobre os outros de forma pejorativa e chegar ao ponto de fazer um post a mencionar a pessoa (y) ou( x). Será que é porque a sua própria vida lhes corre tão mal ,é tão desinteressante ou tão pobre de acontecimentos ,que tem que vir procurar adrenalina a falar dos outros?

Não dou esse direito a ninguém! E se apenas se limitassem a coisa reais… O pior é que a maioria das vezes, escrevem aquilo em que (acreditam) ou faz força para que seja verdade… ( eu nunca acusei ninguém de nada fui mal educada  ou magoei seja quem for propositadamente)  mas agora não posso deixar de chamar mentirosa com todas as letras a quem me enviou um comentário que dizia o seguinte:

(É lamentável a não publicação da minha resposta. Fica lá com a última - e é mesmo a última - palavra, se é assim tão importante.)
Este comentário é mentiroso porque nunca deixei de publicar nenhuma resposta desta pessoa.


Agora se vêem ao meu blogue ou não, é para o lado que eu durmo melhor. Se me comentam, idem…nunca para cá chamei ninguém e não ando por ai de blogue em blogue a comentar para ter também comentários a pedir prémios ou destaques… comento os que me apetece e quando me apetece .


Já perdi muito mais tempo do que devia com esta “bosta” de assunto. Mas não sou Maria vai com as outras e  muito menos gosto de deixar coisas mal esclarecidas .


Porque é que é tão complicado perceber o que se passa na cabeça duma mulher? Se calhar é igual nos homens mas da minha limitadíssima experiência estou em crer que as mulheres complicam o que os homens simplificam.

 

Espero mas uma vez não ter ofendido ou ferido susceptibilidades.. Mas se aconteceu, olha temos pena... a vida é mesmo assim e não fui eu que a fiz.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:24


Vamos lá pôr os pontos nos iis !!

por R.Cheiros, em 09.10.08

 

As coisas que os heróis de outros tempos nos podem arranjar...


Mas o que me traz aqui preocupada hoje foi que recebi um e-mail dum leitor curioso e muito simpático simplesmente a perguntar-me “ó Ramo de Cheiros, com o “peso” (até me faz andar curvada) dos anos e com a sua sabedoria, (sim por isto nota-se a léguas que eu sou uma mulher sábia) explique-me lá se a culpa da falta de romantismo é dos homens ou culpa das mulheres?


E não é que esta mensagem “inocente” dum tal  Pedro  me pôs para aqui a pensar sobre um assunto que de prático não tem nada. Para já o facto de ser um homem a perguntar-me tem tudo a ver... Porque se fosse uma mulher nem sequer se dava ao trabalho. De fazer tal pergunta, claro já sabe a resposta. Ora mas seja como for dou comigo aqui a pensar se a culpa é nossa ou é deles.. 

 

E a pergunta que se impõe é:

” Existem homens românticos à moda antiga nos dias de hoje? do tipo que  envia flores, que seja um cavalheiro, que nos  leva ( ou ele próprio prepare)  um jantar à luz de velas, daqueles  homens que abrem  a porta do carro, mandavam caixinha de bombons?..(coisa de pouco romantismo porque eu detesto chocolate) homens românticos, onde estão vocês?

Será que ainda existem? Ainda   existem homens assim neste mundo? Claro que sim, existem nos filmes…!

E Hoje em dia será que as mulheres ainda gostam do romantismo à moda antiga ou abrir a porta do carro para elas já está ultrapassado?


Eu pessoalmente acho muito importante o romantismo e não vivo sem ele.

Aqui há uns tempos atrás o meu mais que tudo que é uma jóia de rapaz não desfazendo e um romântico incurável (senão tirem vocês mesmo as suas próprias conclusões) convidou-me para jantar fora,."- Vem jantar comigo ao (.... ) hoje apetece-me beber um copo e conversar um bocadinho)"E  como em questão de horários as coisas estavam complicadas, achou por bem marcarmos no restaurante.

Bom até aqui nada a assinalar... Favorecia a ambos. Lá me produzi toda de forma a ficar bela e airosa, sim porque um convite do meu mais que tudo, assim “por toma lá quela palha” não acontece todos os dias. E ele estava tão querido ao telefone... 

Já o imaginava à minha espera com um ramo de rosas vermelhas e quiçá uma musiquinha ambiente que mandou colocar em minha homenagem...

Só filmes!!!

Ele foi cabelos, unhas, escolhi um vestido sexy (porque meu caro Pedro, o peso por enquanto ainda é só na idade) e lá fui eu em cima de uns saltos agulha que ninguém diria que não eram uma extensão das minhas próprias pernas belas firmes e esguias. A noite começou a correr mal, mal sai do carro...

Que um dos saltos se me enfiou num daqueles espaços que há entre as pedras dos passeios à portuguesa. Aqui entre nós, o homem que inventou este tipo de calçada não devia ter mulher em casa porque senão quem levava com um salto na testa, mas enfim..!

Lá entro eu restaurante dentro em equilíbrio porque o meu tornozelo nesse momento já começava a dar sinais de si....e estava-me cá a parecer que em menos de nada se formaria uma batata e não seria das pequenas... E a correr o risco que ficasse ligeiramente roxo (a ver pela dor que já sentia) e é uma cor que não combina nada com o vestido preto que eu tinha escolhido para levar ao jantar!
A segunda surpresa não tardou a chegar... Depois dos cumprimentos habituais, "- A tua irmã e o teu cunhado devem estar a chegar... Eles vêm jantar connosco."

Conclusão foi uma noite animada e nada romântica.... Resta-me dizer que a minha sorte foi que apareceu por lá aquele tipo que é como “Deus” está em todo o lado... “Ké Frô” ,“Ké Frô”  e lá me safei com uma rosa meio murcha... Se não fosse isso flores nem vê-las.


 Brincadeiras à parte, romantismo é essencial numa relação! E ai de mim se discordar disso!


Na verdade a opinião varia de mulher para mulher e há aquelas que não têm nem opinião formada sobre sobre o assunto.
Mas se o homem é muito cavalheiro, pode ser sendo taxado de meloso, carente ou antiquado mas se ele não é romântico, então é um grosseirão e insensível.  Eu como mulher concluo que o romantismo nunca é demais e que em alguns pontos o homem perdeu o romantismo porque as mulheres ajudaram um bocado.
A dura realidade é que nas relações: as pessoas estão a economizando as energias na conquista. Agora, primeiro beijam-se depois as pessoas “andam” ’(como dizem os putos ) e depois é iniciada uma conversa, quando à conversa... De repente, percebem que aquela outra pessoa não tem nada, absolutamente, nada a ver elas... Termina-se um relacionamento e vem outro, outro e outro... É o que baptizo como a futilidade das relações.

 

E agora pergunto, onde foi parar o romantismo?

É cada vez mais raro um homem mandar flores para uma mulher mas também se está a tornar um hábito a mulher desvalorizar-se  durante uma "conquista",hoje é tudo muito facil...

Certo, eu posso ser ultrapassada, antiquada ou outros adjectivos que consigam encontrar... Mas ainda acredito que existem diferenças entre homens e mulheres que não valorizam e tornam únicas e especial.   

Sim, porque seja lá que mulher for, casada,divorciada, solteira, viúva, amigada, etc etc, salvo raras excepções... Sim, eu já vi de tudo... Nós mulheres ainda ainda acreditamos que "fazer amor" envolve amor emoção, somos umas românticas ....Já os homens encaram o sexo por sexo com muita naturalidade. O homem começa a ficar mal acostumado passa uma “conversa” de quinta categoria e a mulher cair na lábia, não porque é parva, mas porque simplesmente  acha que a emancipação da mulher permite tudo.... Bom eu acho que o sexo que é uma coisa bonita hoje está banalizado e vulgarizado, já não tem romantismo a bem dizer nenhum.E lá se está a perder o o brilho do romantismo e a distanciar-nos, cada vez mais, do amor.


Acredita-se que está cada vez mais raro encontrar um homem que seja realmente romântico, que valorize de verdade sua companheira. E mulheres românticas, ainda existem muitas?

Claro que sim:) É lógico que o homem romântico não é perfeito, como nenhuma mulher é perfeita. Num relacionamento as pessoas vão encontrar diferenças, mas só vai ser duradouro se as duas partes souberem lidar com as diferenças. O que todos queremos homens ou mulheres dos mais durões aos mais lamechas é ser amados incondicionalmente e com muito romantismo de parte a parte


Dito isto, meu caro leitor Pedro digo-lhe já que acho que o romantismo está em falta de ambos os lados. Por isso meu caro escute bem o que lhe digo! Esqueça lá essa coisa de culpas, se é do homem ou da mulher... 

Que isso é bom para passar o tempo mas não dá anos de vida a ninguém, muito pelo contrário! Faça assim, arranje uma mulher que seja paciente. Se achar que ela tem pinta de mãe e que até tem alguns dotes domésticos (coisa rara hoje em dia) não a perca de vista... Agarre-se a ela mesmo que não seja assim das mais atraentes até porque a beleza física não é tudo, desvanece e muito rapidamente. Não há como as preocupações conjugais para nos deixarem com má cara. Seja pratico, caro leitor, e não pense nessas questões de culpa nossas ou vossa..
Escolha com cabeça, olhe que não sei se mais vale uma mulher pouco romântica que lhe trate da lida da casa e das crianças do que uma muito romântica que o tire do sério e lhe dê tesão porque essas coisas com o tempo passam, e muito mais rapidamente do que se julga, e ou o meu caro amigo se renova na relação ou depois é que são elas!!! E não me venha depois culpar por isso...

Até porque já perdi um bocado de tempo à conta do romantismo..


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:01


Paixões

por R.Cheiros, em 26.06.08

Não sou uma mulher de me apaixonar facilmente, mas sou uma mulher de paixões!

São elas, as paixões que me dão vida e são elas que me atormentam!

Às vezes queria ser tão diferente...

Queria viver o dia-a-dia e não esperar sempre mais da vida.

Queria poder desfrutar cada minuto com calma.

Queria ser mais conformada…

Queria não ter tantos sonhos e não tentar sempre correr atrás deles.

Eu estou farta de dizer que sou a contradição em pessoa. E sou. Mas para mim a vida não é a preto e branco.Tem varias nuances.

E por mais "durona" que eu seja, ou que possa parecer ser, a quem não me conhece, a verdade é que sou uma “ romantica idealista "cheia de sonhos.

Existem pessoas que nascem para viver com tranquilidade e outras que nascem com bichinhos carpinteiros, daquelas que nunca conseguem estar quietas e que têm que estar sempre a magicar algo.(Eu estou no segundo grupo)

Também há pessoas que nascem para ter relações calmas e tranquilas vivem a vida a planear e futuro que nunca alcançam... É sempre no futuro. E vivem bem assim e até conseguem andar com um sorriso estúpido na cara.

E outras que nascem para para viver momentos. Eternas insatisfeitas que passam a vida a questionar-se a querer sentimentos arrebatadoras, a saltitar atrás dos sonhos.

Pessoas que caem, choram, magoam-se mas limpam as lágrimas lambem as feridas e seguem em frente para cair de novo e se preciso for voltar a chorar..

Outras ainda sem cair ficam com o pé em péssimo estado..:)

Estas pessoas são menos felizes??

Não sei...mas tenho as minhas dúvidas.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:37


Tenho dias assim

por R.Cheiros, em 25.03.08

- Olá mãe


- Olá minha filha.


- Mãe.


- Sim?


- Preciso te contar uma coisa.


- Fala, filha

 

- Precisamos ter uma conversa séria.


- Não! estás grávida de novo, na tua idade..! eu vou ser de novo avó? ai meu deus.


- Não mãe. não estou grávida.

 

- Não? obrigado meu deus,(brinco) então só pode ser...


- Mãe, para de tentares adivinhar, isto não é mais um dos enigmas das tuas revistas.
- Sabe porque é que eu gosto das revistas de enigmas?


- Sei.


- Porque eu preciso de matar o meu tempo, porque eu não tenho com quem falar, porque meus filhos já são adultos e caíram no mundo, porque eu fiquei aqui a preservar este resguardo familiar para onde vocês correm logo que bate qualquer aflição.

 

-Não estas a exagerar? preservar.. não sei porque guardas tudo do nosso tempo de miúdos?

 

-Está do jeito que eu gosto.é a minha casa, sou eu quem vive aqui. então deve estar como eu quero.


- Não te incomoda viver no meio de tanta tralha?


- Não é tralha, é apenas meu jeito de gerir as minhas intimidades, eu não preciso agradar a ninguém a não ser a mim mesma.


- Sem drama mãe.


- Drama deves ter tu para me procurares assim...


- É verdade mãe, eu tenho um...


- Problema.?


- Não é exactamente problema, mas é uma coisa que eu tenho que te contar...

 

- Estou farta de homens!


- Esse é o problema? não estas a fazer drama?


- Hã? não,é que eu...


- Viras-te fufa

 

- Mãe, que horror!


- O que?


- Fufa ,que palavra mais feia.

 

- E como é que se diz?


- Lésbica.


- No meu tempo lésbica era a palavra feia ,acho fufa mais simpático,pelo menos tem um lado cômico. fufa . fofinha. Meio dúbio.viras-te fufa?
- Mãe...!
- Desculpa, lésbica. viras-te lésbica?(estou a brincar)


- Ninguém vira coisa alguma.só estou farta de homens!! (do meu casamento)


- Porque ?


- Isso pode ser difícil de explicar  eu, no fundo, continuo a mesma mulher de sempre, só que me desencantei...


- Um outro homem? existe outro?

- NÃO

- Não grites por favor,que mau habito que tens, sou velha não sou surda!

 

- Por favor mãe, não precisas de  te preocupar,eu estou bem isso é que é o importante,não é?? por isso não tens motivos para te  descabelares ,na verdade isso é uma coisa que já se arrasta e precisava de te contar,preciso de alguem para me ouvir não para criticar.

 

- Mãe?


- Sim?


- Não me pareces surpresa.


- Claro que não, ja desconfiava

 

- É mesmo?

 

- Sou tua mãe..


- Sei...

 

- E o teu pai..?

 

- O que tem o meu pai?

 

- Não vai entender, vais desiludi-lo!

 

- Mãe... o amor é a linguagem o casamento não é mais do que um dos seus dialectos não a sua real academia.

- E os teus filhos...?

- Estão bem muito obrigado.

- Não te armes em esperta comigo,já sabem?

- Como tu mesma dizes mãe:os meus filhos ja são adultos e caíram no mundo.

- Mas não te preocupes , vou manter o tal (enlace nupcial para toda a vida)para preservar intacto o patrimonio da famila!

- Filha..

- Hum?

- Não te entendo... tanta conversa ,não te vais divorciar?

- Nem eu me entendo.. não mãe ,não me vou divorciar!

- Então ...? (sorria)

- Apenas preciso de espaço e de dar um abanão na minha vida

- Mãe!

- Sim..?

- Não estás chocada?

- AMO-TE

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

web counter free

Usuários online


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D