Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



É a crise

por R.Cheiros, em 21.11.08

Prometi a mi mesma fazer guerra ao tabaco

Aconselho a quem não consegue deixar pelo menos tente reduzir..
Com a crise que por ai vai há que reduzir o consumo...

Cuidado se a moda pega vai ser um deus nos acuda...

Não gosto muito de por imagens no blogue mas não posso deixa de publicar e agradecer a gentileza do "João" que me enviou esta imagem a propósito da minha vontade que querer deixar de fumar.

Gracias!

Desafio a minha amiga (....) ela sabe quem é a seguir este conselho

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:03


Contar o "milagre" sem denunciar o "santo"

por R.Cheiros, em 14.11.08

"Há há há, quero ver como é que vais descalçar essa bota..."( és tão minha amiga) esta frase martelou-me a cabeça a noite toda.

Os seres humanos são muito criativos quando querem dar a volta ao "texto"

Mas isto levou-me à tal pergunta que já me fiz diversas vezes: Qual é a diferença entre mentir e omitir?

 Para mim mentir e omitir não é a mesma coisa e existe entre ambas uma diferença abismal...

E também existem as meias verdades o que não chega ser uma mentira.

Podemos contar o "milagre" mas não dizer quem é o "santo".

Existem coisas só nossas..  Que não partilhamos com quem nos está próximo.

Porquê? Não sei bem porquê. Porque acho que não é coisa que lhe interessasse, que me  ia aborrecer com perguntas e porque certamente eu deixava de ter à-vontade que o anonimato me oferece.

Penso que é essa a razão, não sei se o meu subconsciente tem outra. Não é  por mal talvez  ingenuidade, ou outra coisa qualquer, porque, se me pergunta directamente eu vou acabar por contar o nome do "santo".
 

Hoje o dia está lindo e promete...não vos parece?

Vá lá... Encosta-te a mim...
E já gora dá-me lume... E deixa-me rir

Vou a  um ..Servidos?

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:38

Cada  vez nascem menos bebes em portugal.


O Chefe de Estado assinalou, a propósito, que "o que está em causa é o futuro do nosso País", pois "sem crianças o nosso País vai perder população e as previsões apontam para que, em 2050, os portugueses sejam apenas 7,5 milhões".

 

Olhem a confusão que uma conclusão precipitada pode causar.


Em um determinado país foi criado um programa de incentivo à natalidade, pois o número de habitantes estava a cair e a proporção de idosos crescia assustadoramente.

Necessitando de mão-de-obra, o governo decretou uma lei que obrigava os casais a terem um certo número de filhos. Previa também uma tolerância de cinco anos após o casamento, fim dos quais, o casal deveria ter pelo menos um pimpolho. Aos casais que no fim do prazo não conseguissem ter um filho, o governo destacaria um agente auxiliar para que a criança fosse gerada.
 
Neste cenário  deu-se o seguinte diálogo entre um casal:

 
Mulher: Querido, completamos hoje 5 anos de casamento!
Marido: É... e infelizmente não tivemos nenhum filho.
Mulher: Será que eles vão mandar o tal agente?
Marido: Não sei... talvez mandem.
Mulher: E se ele vier?
Marido: Bem, eu não posso fazer nada.
Mulher E eu, menos ainda...
Marido: Vou sair, já estou atrasado para o trabalho.

Logo após a saída do marido, bateram à porta: TOC, TOC, TOC!!!!

A mulher abriu e encontrou um homem de boa aparência à espera.Assim tipo (Jorge Clooney) mas para melhor:)
Tratava-se de um fotógrafo que saiu para atender um chamado de uma família que queria fotografar as sua criança recém-nascida, mas que por um engano, errara o endereço procurado.( ele à cada engano..)

 

E o diálogo  seguiu-se:

 

Homem: Bom dia! Eu sou...
Mulher: Ah, já sei! Pode entrar.
Homem: Obrigado. Seu esposo está em casa?
Mulher: Não. Ele foi trabalhar.
Homem: Presumo que esteja a par.
Mulher: Sim, ele já sabe de tudo. Eu também concordo.
Homem: Ótimo. Então vamos começar.
Mulher: Mas já? Tão rápido...
Homem: Preciso ser breve, pois tenho ainda 16 casas para visitar.
Mulher: Nossa senhora! O senhor agüenta?
Homem: O segredo é que eu gosto do meu trabalho,  dá-me muito prazer!
Mulher: Então vamos começar. Como faremos?
Homem: Permita-me sugerir: uma no quarto, duas no tapete, duas no sofá.
Mulher: Serão necessárias tantas?
Homem: Bem, talvez possamos acertar na mosca já na primeira tentativa.
Mulher: O senhor já visitou alguma casa neste bairro?
Homem: Não, mas tenho comigo algumas amostras do meu trabalho (mostrou algumas fotos de crianças). Não são lindas??
Mulher: Como são belos estes bebes! Foi o senhor mesmo quem fez?
Homem: Sim. Veja esta aqui, por exemplo, foi conseguida na porta do supermercado.
Mulher:Que horror! O senhor não acha muito público?
Homem: Sim, mas a mãe queria muita publicidade.
Mulher: Eu não teria coragem!!!
Homem: Esta aqui foi em cima do autocarro
Mulher: Caramba!!!
Homem: Foi um dos serviços mais difíceis que já fiz.
Mulher: Claro, eu imagino!
Homem: Esta foi feita no inverno, num parque de Diversões.
Mulher: Credo! Como é que  o senhor conseguiu? Não sentiu frio?
Homem: Não foi fácil! Como se não bastasse a neve caia, tinha uma multidão em volta. Quase não consegui acabar.
Mulher: Ainda bem que sou discreta, e não quero ninguém a olhar par nós.
Homem: Ótimo, eu também prefiro assim. Agora, se me dá licença, eu preciso armar o tripé.
Mulher: Tripé?!!!
Homem: Sim madame, pois o negócio, além de pesado, depois de armado mede quase um metro.
A mulher desmaiou......

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:53


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D