Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Que tal uma banheira de espuma...?

por R.Cheiros, em 25.03.09

Existem outros.. Mas é um prazer, chegar a casa, depois de um dia de trabalho daqueles complicadíssimos, encher a banheira com água bem quente juntar um óleo  relaxante e mergulhar naquele paraíso. Relaxar o corpo e deixar a agua fluir, de preferência com um cenário antecipadamente composto.. umas velas e um bom vinho, o banho pode ser tão rotineiro … mas  é  bom não é?


Mas parece que nem sempre foi assim..O banho já foi considerado um acto de luxúria e pecaminoso. A água tanto era tida como um bem essencial como um inimigo da saúde.
Pioneiros em muitas coisas os egípcios não deixaram de o ser nestas coisas da higiene.  Passavam horas refasteladas em banhos refrescantes e perfumados. Pratica que foi seguida por muitos outros desde os romanos aos gregos. As tão conhecidas saunas. Diz-se até que a sauna era o local escolhido por estas civilizações para fazer negócios e definir estratégias politicas e sociais. (ao contrario dos nossos governantes que optam de certeza pelo wc dai saírem estas ideias de merda). A sauna era portanto um encontro de prazer e convívio social. (o que hoje também não deixa de ser, só muda o prazer..)


Ora como não há bela sem senão, e como não podia deixar de ser… idade media, reconquista crista .. e pumba lá se vai o bem bom. A sauna e os banhos foram conotados como locais de pecado e perversão pelo contacto dos corpos nus, estes cristãos eram loucos…
Mas como em terra de loucos quem tem olho é rei.. Neste caso quem tem dinheiro… os mais abonados, não tanto pela higiene porque aqui entre nos sempre foram uns grandes malandrecos.. Toca de construir casas de banho privadas e seguiam os princípios dos banhos romanos e nesses espaços organizavam grandes festanças com direito  a  massagens para os convidados( chamem-lhe burros vá lá..)


 E como desde que o mundo é mundo existem os ricos e os pobres, os que tudo tem e o os outros… os mais humildes, limitavam-se a lavar as mãos e a cara. O rabiosque e as partes baixas , agua nem vê-la… portanto como devem imaginar , naqueles corpitos não deixavam de abundar muitos “visitantes” desde o piolho a outros que se reproduzem em partes mais baixas e dizem que são chatos como o caraças. Boinas chapéus e barretes , disfarçavam os de cima, já os de baixo sabe deus….


Também convínhamos que o banho não fazia muito sentido. Uma vez que a roupa era usada até estar completamente suja, dizem até que tinha um efeito esponja e absorvia a sujidade que o corpo não adquiria.

E para se assoarem.. lenços? Mas que lenços, alguém sabia o que era um lenço … para o mesmo efeito estava mesmo ali à mão os dedos os as mangas . A bem da verdade , nos tempo de chuva devia dar jeito. Afinal depois de secas as mangas deviam ficar com o efeito impermeável e completamente “teso”.


 O fedor e a sujidade era tanta, que durante a época das Descobertas, os europeus eram conhecidos pela simpático alcunha “mal  cheirosos” e porcos, vá se lá saber porque…

Já os homens da igreja, sempre muito bonzinhos e desprendidos das coisas terrenas, optavam pela sujidade para demonstrarem que não se preocupavam pelo corpo terreno e que dedicavam apenas os seus pensamentos a Deus.


Chegávamos portanto ao século XVII mas pouco se tinha evoluído em matéria de asseio. O banho continuava a ser desaconselhado, até porque a água quente dilatava os poros e deixava entrar todo o tipo de doenças.   Portanto agua só molhar as mãos sacudi-las bem sacudidas e passar na cara, e olhem lá…


Mas pronto, lá lhes começou a chegar a “mostarda” ao nariz, que é o mesmo que dizer que também temos um dos sentidos que se chama olfacto, certo? O pivete era tanto que tinha que se combater de alguma forma.


Para sorte nossa (hoje) foi nessa época que a cosmética teve um avanço significativo. Sim porque os tais que tudo têm, os das classes mais favorecidas, para disfarçar o cheiro nauseabundo usam perfumes e talcos e muita maquilhagem.  Até dizem as más línguas , sim não fui eu que eu cá não sou de intrigas…  que o  rei francês Luís XIV só tomou  banho duas vezes na sua vida.  quando nasceu e quando casou.

  Porque isto de tomar banho estava fora de questão, não vá agua desgastar a pele e o corpito .. Felizmente para todas as narinas sensíveis em meados do século uma mente brilhante inventa o sabão à base de banha de porco. Mas desenganem-se os que pensam que era para tomar banho… nada disso, lavar o rosto e as mãos a roupa e olhem lá… sim porque até ali a roupa era apenas sacudida.


Aos poucos e poucos começaram a surgir então aqui e ali uns quantos manuais de higiene. E com eles foram  surgindo  vários produtos para melhorar tanto a condição da pele como do cabelo. Até que se instituiu os lavadouros públicos. Para evitar certas doenças que por cá habitavam por falta de higiene. Hoje é pratica corrente, e um habito enraizado, lavar as mãos várias vezes ao dia, antes e depois das refeições e as roupas devem ser  lavadas regularmente. Háaaa e o banho são muito importantes. Embora me palpite que algumas pessoas ainda pensem que vive no tempo do (Luís XIV).
Não é por nada, mas principalmente de manhã é um pouco desagradável, não é?


E agora sejam sinceros…não vos apetecia encher a banheira com agua bem quente juntar um óleo de relaxante e mergulhar naquele paraíso. Relaxar o corpo e deixar a agua fluir, de preferência com um cenário antecipadamente composto.. Umas velas e um bom vinho, o banho pode ser tão rotineiro … mas é bom não é?

 

publicado às 15:00


28 comentários

De Just Moments a 25.03.2009

..Não??..

é do Nosso tempo..ehehe

acho que´é da Rita Lee!!

se descobrir digo-te!!

Beijocas rainha

De R.Cheiros a 25.03.2009

Princesa princesa...

Eu conheço bem a canção!

Mas não sabes tu que existem coisas que mesmo descobertas não se devem pensar quanto mais dizer...
Isto para quem tem amor há vida claro...

Beijocas

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D