Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Cosmetica da vida

por R.Cheiros, em 21.04.08
 

 

As mulheres estão tão obcecadas em manter-se jovens que preferem acreditar no incrível e gastar fortunas no impensável do que se aceitar.

Hoje em dia os jovens urbanos não fazem a menor ideia de como é um rosto com aspecto de 60 anos, pensamos que parece demasiado velha.

Porque a comparar com qualquer cara sorridente que nos contempla nas páginas das revistas ou do pequeno ecran.

As revistas femininas ignoram quelas que tem mais de 50 anos, ou fingem que não existem, tentam evitar as suas fotografias, e quando não tem outro remédio que seja deixar aparecer as famosas de uma certa idade retocam os seus retratos.

Quantas apresentadoras e jornalistas que aparecem na televisão, ou são jovens ( a imensíssima maioria) ou aparecem caricaturada, ou então então não aparentarem a sua idade.

A mensagem parece-me óbvia: As fêmeas mais representativas da nossa sociedade podem ser visíveis enquanto forem belas e jovens ( ou aparentam sê-lo) mesmo quando trabalharem mal .

Desafio-os a encontrar uma, uma única apresentadora de televisão que apresente cabelos brancos ou mostre sem dissimulação as suas rugas.

E nós mulheres (exceptuando um ou outro milagre da genética) têm cãs ou uma ou outra ruga  desde os 30 anos.

Mas somos ensinadas a esconder (a pintar o cabelo ou a submetermo-nos a operações arriscadas e absurdas, perigosas e desmesuradamente caras) como se se tratasse de estigmas fatais.

Envelhecer é belo ,porque com o tempo adquirem-se experiencias e sabedoria. Apagar a idade do rosto significa apagar a identidade ,o nosso poder a nossa historia. E acho que devia respeitar-se como um acto tão profundo como o orgulho racial ou étnica .

A determinação de uma mulher em mostrar a sua lealdade à idade, ao seu corpo e as pessoas a sua volta.

De momento enquanto amadureço gasto em livros e cds o dinheiro que estou a poupar em plásticas e botox etc.

Hoje a imagem é tudo mas será tão difícil entender que existem corpos e corpos? E que cada um tem a sua beleza.

Sob a ditadura da beleza, e a valorização da eterna juventude para quem já passou da idade, é patente a angústia com as marcas do tempo no rosto e a força implacável da lei da gravidade em todo o corpo, que o faz “descair” literalmente.

Entram em cena o apelo aos botox,e recauchutagens – as cirurgias plásticas que visam criar belezas atemporais e dar aquele "ar de eterna juventude".

Ah, se todos os sabores e dissabores do envelhecimento fossem apenas da ordem do "descair"!

O ponto central é que pessoas velhas em geral são desprezadas e renegadas para o canto até pelas próprias famílias .

Os governos  colocam-nos num saco roto chamado de Terceira Idade, como se fossem um bloco monolítico, e ensaiam algumas políticas, que pouco saem do papel.

Sistematização de direitos das pessoas idosas e dos deveres dos governos, da sociedade e das famílias para com elas.

O aumento da expectativa de vida, a longevidade em si, reconheço como uma conquista.

E o passar dos anos e as marcas do tempo, numa perspectiva histórica da humanidade, de certa forma são inegáveis privilégios

 



publicado às 11:58


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds